Tribunal Regional Federal da 2ª Região abre concurso para cadastro

Tribunal Regional Federal da 2ª Região está com inscrições abertas em 2017.

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região, que abrange os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, abriu concurso público para formação de cadastro de reserva em cargos de níveis médio e superior. Os salários são de R$ 6.167,99 para nível médio e R$ 10.119,93 para nível superior.

No site da organizadora é possível ver o edital. Acesse aqui.

Os cargos de nível superior são para analista judiciário da área judiciária sem especialidade e na especialidade de oficial de justiça avaliador federal, e nas áreas administrativa e apoio especializado nas especialidades de arquitetura, arquivologia, biblioteconomia, contadoria, enfermagem, enfermagem do

trabalho, engenharia civil, engenharia elétrica, engenharia eletrônica, engenharia, mecânica, estatística, informática/ desenvolvimento, informática/ infraestrutura, medicina clínica, medicina do trabalho, medicina psiquiatria, odontologia, psicologia e serviço social.

As vagas de nível médio são para técnico judiciário na área administrativa sem especialidade e na especialidade de segurança do trabalho, e nas áreas de enfermagem e informática.

Como fazer sua Inscrição para o Concurso do Tribunal Regional Federal da 2ª Região 2017

As inscrições devem ser feitas até o dia 21 de dezembro pelo site www.consulplan.net. A taxa é de R$ 60 para nível médio e R$ 70 para nível superior.

A seleção será feita por meio de provas objetiva, redação, de estudo de casos, prática e de capacidade física, de acordo com o cargo.

As provas objetivas, de redação e de estudo de casos serão aplicadas nos dias 5 e 12 de março de 2017.

No Rio de Janeiro, as provas serão realizadas nas cidades de Angra dos Reis, Campos dos Goytacazes, Itaperuna, Macaé, Niterói, Nova Iguaçu, Petrópolis, Rio de Janeiro, Três Rios e Volta Redonda. No Espírito Santo, as provas serão nas cidades de Cachoeiro de Itapemirim, Colatina e Vitória.

O concurso terá validade de 2 anos e poderá ser prorrogado por igual período.

Tribunal Regional Federal da 2ª Região
Inscrições: até 21 de dezembro

Vagas: cadastro de reserva
Salários: R$ 6.167,99 e R$ 10.119,93

Provas: 5 e 12 de março de 2017

Tribunal Regional Federal da 2ª Região

Com a proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, o Brasil não apenas deixou de ser uma monarquia para se converter em República, como também deixou de ser um Estado unitário para se transformar num Estado Federal, passando, as antigas províncias do Império à condição de Estados federados.

Como consequência natural da mudança na forma de Estado, verificou-se a necessidade de se criar uma Justiça Federal, a par das "justiças" dos Estados-membros.

Com o Decreto n. 848, de 11 de outubro de 1890, editado pelo Governo Provisório que proclamou a República, foi instituída a Justiça Federal no Brasil, composta, em primeira instância, por juízes federais, denominados de juízes seccionais, que eram escolhidos pelo Presidente da República, com a garantia

da vitaliciedade, e juízes federais substitutos, também escolhidos pelo Presidente da República, mas que cumpriam um mandato de seis anos.

Em segunda instância, funcionava como Corte de Apelação da Justiça Federal brasileira o Supremo Tribunal Federal.

Essa sistemática foi mantida pela primeira Carta Republicana, de 1891.

Durante a República velha não houve alteração substancial na estrutura da Justiça Federal, salvo quanto à criação eventual de mais uma ou outra vara em algumas seções judiciárias.

A Seção Judiciária de Minas Gerais, por exemplo, chegou a contar com uma segunda vara federal (Decreto n. 4.848, de 13 de agosto de 1924), posteriormente extinta com a Lei n. 323, de 26 de novembro de 1936; a do Distrito Federal, que na época era o Rio de Janeiro, chegou a contar com uma

segunda vara (Decreto n. 1.152, de 7 de janeiro de 1904) e, posteriormente, com uma terceira vara federal (Decreto n. 4.848, de 13 de agosto de 1924); finalmente, a Seção Judiciária de São Paulo também chegou a ter uma segunda vara federal, também criada pelo Decreto n. 4.848/1924, posteriormente

extinta com o Decreto n. 22.169, de 5 de dezembro de 1932, e mais adiante restabelecida com a Lei n. 488, de 26 de agosto de 1937.

A Constituição de 1934 também não promoveu alterações significativas na estrutura da Justiça Federal brasileira.

Com o advento da Carta Constitucional de 1937, no entanto, foi extinta a justiça federal de primeiro grau, sendo seus juízes colocados em disponibilidade ou aposentados.

O Decreto-Lei n. 6, de 16 de novembro de 1937, regulamentou a matéria. A partir daí, as causas de interesse da União e de suas autarquias passaram a ser julgadas por juízes estaduais, em varas especializadas, situadas nas capitais dos Estados, denominadas de varas dos feitos da Fazenda Pública Nacional.

Os recursos, não obstante, continuavam a ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal.

Com a Constituição Federal de 1946, criou-se o Tribunal Federal de Recursos (TFR), retirando-se do Supremo a atribuição de simples corte de apelação das causas federais. O TFR era inicialmente composto de 9 ministros e sua instalação foi regulamentada pela Lei n. 33, de 13 de maio de 1947.